domingo, 22 de junho de 2014

CANELA

Uma das especiarias mais apreciadas e usadas no mundo é a canela. 

Hoje pela manhã quando levantei me deparei com minha mãe lutando para tirar a casca de um pau de canela que haviam podado no nosso quintal... aí veio a curiosidade... como se faz isso? Foi a pergunta que ela me fez... Bem, não precisa muito, basta que escolhamos ganhos que tenham de 1,5 cm a 2,0 cm de diâmetro com uns 10 cm de comprimento, fazer um corte longitudinal nele e delicadamente retirar a casca... deixar em local arejado e protegido da luz por 5 dias e após levá-lo ao sol por mais 5 dias.

A canela é uma das especiarias mais velhas do mundo. A árvore é nativa do Sri Lanka onde foi achada há milhares de anos. É a melhor especiaria disponível em termos de sua nutrição e saúde. Contém propriedade curativa que vem dos componentes ativos nos óleos essenciais achados no seu córtex. A canela tem atividade antioxidante extremamente alta devido a qual tem subsídios por doenças numerosas.

Existem vários tipos de canela, mas são duas as mais utilizadas: canela do Ceilão (canela-da-índia) é mais adequada para doces, por ser mais delicada e a Cássia (canela-da-china) para salgados. Mas isso não é uma regra, no Brasil e na maioria dos países a cássia é usada para tudo.
CANELA DO CEILÃO - CANELA DA ÍNDIA 

CANELA CÁSSIA- CANELA DA CHINA

Como dá para perceber pelas fotos a maioria das pessoas a conhecem pelos nomes errados... pelo menos eu sempre chamei de canela da india, a que na verdade é da china....rsrrs...
E o seu uso na culinária? Será que é de tanto tempo assim também?

A canela (Cinnamomum zeylanicum) é uma especiaria antiga, de aroma agradável, estimulante dos sentidos e calmante para o nervos. Ela é retirada da casca de uma árvore encontrada no Sri Lanka e no sudoeste da Índia, e é disponível também em forma de óleo, extrato e pó seco, sendo utilizada em substâncias aromáticas, incensos, chás, licores, cremes dentais, perfumes e cosméticos. O licor é feito incorporando a casca macerada na bebida.

De sabor forte, adstringente e picante, realça doces, sobremesas, e inúmeros pratos orientais. No ocidente é mais usada em doces, mas é comum saborear pratos salgados orientais temperados com canela. É vastamente usada em misturas como o curry, os garans indianos ou a mistura chinesa five spicy.

Considerada símbolo da sabedoria, a canela foi usada na Antigüidade pelos gregos, romanos e hebreus para aromatizar o vinho e com fins religiosos na Índia e na China. Entre as muitas histórias da canela, conta-se que o imperador Nero depois de matar com um pontapé sua esposa Popea, tomado de remorsos ordenou a construção de uma enorme pira para cremá-la.

Nessa pira foi queimada uma quantidade de canela suficiente para o consumo, durante 1 ano, de toda a cidade de Roma! Mesmo sem a importância que teve no passado e não sendo mais motivo de lutas entre os povos, a canela continua indispensável, como tempero na culinária moderna.

Bem... depois de tudo isso... até me deu vontade de ir para a cozinha... claro... preparar um doce...rsrsrs.... 

CINNAMON ROLLS


Massa:
200g de farinha de trigo para pães
16g de açúcar
3g de sal
30g de margarina
90g de leite
32g de ovo
4g de fermento seco para pão
20g de água morna 

Recheio:
25g de açúcar mascavo
4g de canela em pó
uma pitada de noz moscada
margarina amolecida para espalhar na massa (cerca de 1 colher de sopa)

Deixe misturado o açúcar com a canela e a noz moscada.

Cobertura:
35g de margarina
15g de cream cheese
20g de açúcar
algumas gotas de essência de baunilha

Misture tudo e deixe reservado.

Coloque a farinha numa tigela, junte o açúcar, o sal, a margarina e o ovo batido com o leite. Dissolva o fermento na água morna e coloque na tigela também. Misture com colher de pau até absorver toda a farinha. Jogue a massa na mesa e vá sovando e batendo a massa na mesa até ficar uma massa lisa e homogênea. No começo não estranhe se ficar tudo grudado na mesa e nas mãos. Não coloque mais farinha do que o pedido. Conforme vai sovando, a água vai se evaporando e a massa começa a desgrudar das mãos.
Faça uma bola com a massa e feche bem as pontas formando um umbiguinho. Coloque a massa com o umbigo para baixo na tigela novamente. Cubra com filme plástico e deixe fermentar em lugar abafado por cerca de uma hora ou até que dobre de volume.
Depois de fermentada, coloque a massa na mesa enfarinhada e amasse gentilmente formando uma tira comprida. Use o rolo de massa para esticar até o tamanho de 9x40cm. Espalhe margarina amolecida na superfície da massa, deixando 5cm sem untar no final da massa. Espalhe o recheio em cima da margarina. 
Enrole a massa gentilmente, sem puxar ou forçar a massa. No final, aperte a massa. Corte o rocambole ao meio e coloque os rolinhos com a parte que cortou para cima numa forma untada com margarina (21x11cm). Deixe os rolinhos bem no canto da forma e com a parte que fechou voltada para a parede da forma. Cubra com filme plástico e deixe fermentar até dobrar de volume novamente.
Pincele a superfície com ovo batido e leve para assar em forno pré-aquecido a 180oC por 20 minutos ou até ficar dourado. Desenforme e enquanto está quente espalhe a cobertura. Bom apetite!